10 albums / 1 post

A corrente pede 10 álbums que ainda apareçam nas nossas playlists – uma capa por dia, sem explicações, e com a nomeação da praxe. Vou saltar os artifícios e apresentar os 10 da minha vida (que deviam ser 20 para caberem mais), um pouco por ordem de importância: Advertisements

Read More →

De Santos e Pastores

Foram anos de poemas declamados no colégio de freiras e de outros tantos a retalhar versos como se fossem só uma aglomeração de a-b-b-a e sinédoques – que identificamos com o mesmo entusiasmo de quem decora a lengalenga do teorema de Pitágoras. Até que um dia, depois todo este ruído, conheci o mestre Caeiro, e todas as vigas e alicerces […]

Read More →

O Slogan Maldito

Deparei-me hoje com esta palermice de cartaz num tweet do irmaolucia e fui a correr confirmar. Era verdade, caros leitores: o CDS/PP de Almada (porquê especificamente o de Almada é uma boa questão, e uma à qual não sei responder) tinha um novíssimo cartaz para a sua campanha contra a eutanásia.: Digo “tinha” porque já o retiraram da sua página […]

Read More →

A Página em Branco

O terror. Começar por onde, em que ponto? E se me engano…? E se aquilo com que preencher o espaço em branco for mau? Pior: e se for medíocre? Todo este potencial manchado. A infâmia…! Pelo menos é o que entendo dos infinitos relatos sobre o medo da página em branco. Não o sei descrever melhor porque nunca o senti. […]

Read More →

fio fantasma

Sinto o mundo passar à frente e o passo dos meus pés presos com o peso de tempo soldado. Sempre me vi entre as palavras mas talvez as tenha tomado por certas. Devia estudar-lhes os vestidos E deitar fora os panos de padrões pirosos. Por muitos modelos que esboce O meu medo É já são saber costurar

Read More →

Na última vez que estive contigo

Na última vez que estive contigo fomos as duas andar de baloiço no parque. Os Cinzentos mandaram-nos olhares reprovadores e comentámos o bom que era termo-nos uma à outra como companhia para andar de baloiço no meio da cidade e que os deviam fazer para adultos também. Porque, num mundo que nos torna monocromáticos com tanta facilidade, tu sempre foste […]

Read More →

Hoje o mar sou eu

É a sina de qualquer aprendiz: antes de se conseguir criar obra nossa, passamos eternidades a copiar (muito) os que já o fazem. Para perceber como se chega lá, para exercitar os músculos até conseguirmos andar sem as rodinhas de apoio. Os desenhos por aqui começaram depois dos 30 e, só muito recentemente, a surgir de forma regular. Qualquer ideia […]

Read More →

Consultadoria

De cabeleireira farfalhuda cortada à tigela, tem um quê de Ringo Starr se tivesse tirado Gestão. O ângulo do perfil parece completamente à mercê do nariz e do seu esforço consciente em manter-se elevado – o que, é sabido, mostra ao mundo como somos conhecedores e capazes. Mas quando se afasta do portátil anda e gesticula como quem tem a […]

Read More →

Translations

O meu amigo Ricardo escreve umas coisas – bastantes e boas. Há poucos dias publicou, no seu cantinho virtual, um poema em que pede para não ser traduzido. O que me pareceu a oportunidade perfeita para exercitar os músculos de tradutora e pseudo-poeta. Sem mais demoras, aqui vai: My friend Rick (see what I did there?) writes a little – and […]

Read More →

‘Animais de Sangue Frio’

Festa de lançamento de Animais de Sangue Frio, o segundo livro de Elisabete Marques, ed. Língua Morta. Como um maquinismo louco ou uma lâmpada quase fundida, sou intervalado. Tremo até deslocar o ar. Minha inquietação, uma espécie de granido sem moldura. Vi-me ansioso por ser completo e absoluto, eu. Esta questão de lugar, o lugar sempre outro e atravessado e esquivo. […]

Read More →

Mais, por favor

Quando era pequena, o meu pai tentou (exaustivamente) convencer-me a ter aulas de aikido. “Não quero! Quero ser bailarina!”, protestava eu. “O aikido é quase uma dança,” argumentava o meu pai “vais ver que vais gostar.” Mas a Marta de 8 anos não queria saber. A Marta de 8 anos queria era lantejoulas, dançar em pontas e ser a Pequena […]

Read More →

Viver com Esclerose Múltipla

O próximo dia 31 de Maio marca o Dia Mundial da Esclerose Múltipla. Para assinalar a data, a Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla (SPEM) organizou uma exposição no jardim exterior do Centro Comercial Colombo que, para além de querer divulgar a doença e as várias formas de apoio, tenta, principalmente, mostrar-nos o que é viver com EM. Desde os pesos […]

Read More →

Amélia dos olhos doces

Há cerca de 3 anos atrás, decidi colaborar com a Associação Mais Proximidade Melhor Vida (MPMV) e voluntariei-me para visitas semanais a um(a) idoso/a a ser designado. Alistei a amiga Stella e, pouco tempo depois, fomos informadas de que iriamos visitar uma octagenária “bastante culta, que fala com a família por Skype, por Facebook e por mail.” No dia 19 de […]

Read More →

74 x 34 x 60 mm

Dimensões conservadas. Discretamente heterogéneo apenas. Linha sem alterações intrínsecas. Septação fúndica já conhecida já alvo de intervenção. Cavidade virtual. Pequenas imagens líquidas infracentimétricas simples. Visibilidade anexial direita mais satisfatória do que a esquerda. Douglas livre.

Read More →

O Pai

em·pa·ti·a (grego empátheia, -as, paixão) substantivo feminino Forma de identificação intelectual ou afectiva de um sujeito com uma pessoa, uma ideia ou uma coisa (ex.: a empatia entre os voluntários e a população local era evidente; assistimos à perfeita empatia entre piano e violino). in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa   Esta semana, a Associação Mais Proximidade Melhor Vida, com […]

Read More →

Levante

Como ser imune ao esfumar do corpo (apaga a luz) Tu de braço solto E eu a única elevada no banco de pescoço exposto à tua voz Há entrega num soltar dos ombros no leve descair contra teu peito (como se já tantas vezes o tivesse feito) e os teus dados passam seguros pelos meus a confirmar de relance que […]

Read More →

a série que me está a fazer deixar o Game of Thrones na prateleira

A fórmula não tem muito de original: Equipa all-stars composta por personagens da literatura vitoriana? Check. Sangue e sexo semi-gratuitos por todo o lado? Check. Vampiros? Check. A Eva Green a fazer de bruxa? Check, check e check. Penny Dreadful traz-nos o Dr Frankenstein e a sua criatura (ironicamente, talvez a personagem mais bela da série), o hedonista Dorian Gray, e até o senhor […]

Read More →

Obediência

Ver filmes sobre os quais só se sabe o título tem as suas vantagens. A história começa com o início de um dia de trabalho num franchise de fast food. Conhecemos a gerente, o empregado calão, a loirinha mais interessada em mudar as capas do telemóvel do que em atender clientes, e tudo filmado em estilo documental, como um bom […]

Read More →

ver a doença invisível

Numa época em que toda a gente fotografa tudo para todo o mundo ver, sabe muito bem encontrar projectos um bocadinho mais relevantes do que a actividade gastronómica do alheio – como fugir um pouco aos nossos umbigos e tentar ver uma realidade que não conhecemos. A esclerose múltipla é  uma doença autoimune  e degenerativa imensamente estigmatizada. O nome evoca […]

Read More →

destinos

– Uma vez leram-me a sina, há muitos anos atrás – conta-me ela à luz do pequeno candeeiro que já lhe fere a vista. Abre a palma da mão em frente à cara: – “Você devia ter casado nova. Agora já não casa.” Devia ter sido o João. Era tão apaixonado por mim… Eu fui ao casamento dele, a noiva […]

Read More →