My Pen, Português, Verse

ampulheta

Parece lenta por ser imensa a torrente que passa pela ampulheta. Devia entupir ou emitir sinal de alarme ao ver passar versos repetidos ou rimas pirosas. Ouve a areia, diz ela, não queres a tua âmbola cheia de poemas menores. Advertisements

Read more
English, My Pen, My Pencil

Some are Born to sweet delight

Some are Born to Endless Night. – William Blake, ‘Auguries of Innocence’ I bought this album over 10 years ago, on my birthday. It was terribly overpriced – probably with the excuse of being an indie import from a faraway country – but I felt so happy to see a Hawksley Workman record in a […]

Read more
English, Orphans

Orphans

As an orphan one learns to be self-sufficient and one learns the tricks of the trades which go with that. One becomes a freelance. (…) I propose a conspiracy of orphans. We exchange winks. We reject hierarchies. All hierarchies. We take the shit of the world for granted and we exchange stories about how we […]

Read more
Blurb, Português

10 albums / 1 post

A corrente pede 10 álbums que ainda apareçam nas nossas playlists – uma capa por dia, sem explicações, e com a nomeação da praxe. Vou saltar os artifícios e apresentar os 10 da minha vida (que deviam ser 20 para caberem mais), um pouco por ordem de importância:

Read more
Best Of, My Pen, Português

De Santos e Pastores

Foram anos de poemas declamados no colégio de freiras e de outros tantos a retalhar versos como se fossem só uma aglomeração de a-b-b-a e sinédoques – que identificamos com o mesmo entusiasmo de quem decora a lengalenga do teorema de Pitágoras. Até que um dia, depois todo este ruído, conheci o mestre Caeiro, e […]

Read more