ampulheta

Parece lenta por ser imensa a torrente que passa pela ampulheta. Devia entupir ou emitir sinal de alarme ao ver passar versos repetidos ou rimas pirosas. Ouve a areia, diz ela, não queres a tua âmbola cheia de poemas menores.

fio fantasma

Sinto o mundo passar à frente e o passo dos meus pés presos com o peso de tempo soldado. Sempre me vi entre as palavras mas talvez as tenha tomado por certas. Devia estudar-lhes os vestidos E deitar fora os panos de padrões pirosos. Por muitos modelos que esboce O meu medo É já são … Continue reading fio fantasma

Advertisement

74 x 34 x 60 mm

Dimensões conservadas. Discretamente heterogéneo apenas. Linha sem alterações intrínsecas. Septação fúndica já conhecida já alvo de intervenção. Cavidade virtual. Pequenas imagens líquidas infracentimétricas simples. Visibilidade anexial direita mais satisfatória do que a esquerda. Douglas livre.

Isidora & Prose

I am a painfully   s l o w    writer of prose and soaringwriterofverse. To my mind prose is convention & norm, poetry free form. In a poem, you can cut sentences in half wherever you wish and pile them up together in whatever              shape            you         want You could never have that with prose.

china

Corpo meu fará quadrado. Corpo meu duro que é Embora palavras não diga Palavras guarda. E responde.*Queria eu, esconder-me na montanha. Estudar a Via. Mas não aguento, o frio - nem suporto, a fome. in Poemas Anónimos - Turcos, Mongóis, Chineses e incertos, Assírio & Alvim