Orphans

As an orphan one learns to be self-sufficient and one learns the tricks of the trades which go with that. One becomes a freelance. (…) I propose a conspiracy of orphans. We exchange winks. We reject hierarchies. All hierarchies. We take the shit of the world for granted and we exchange stories about how we nevertheless get by. We are […]

Read More →

10 albums / 1 post

A corrente pede 10 álbums que ainda apareçam nas nossas playlists – uma capa por dia, sem explicações, e com a nomeação da praxe. Vou saltar os artifícios e apresentar os 10 da minha vida (que deviam ser 20 para caberem mais), um pouco por ordem de importância:

Read More →

De Santos e Pastores

Foram anos de poemas declamados no colégio de freiras e de outros tantos a retalhar versos como se fossem só uma aglomeração de a-b-b-a e sinédoques – que identificamos com o mesmo entusiasmo de quem decora a lengalenga do teorema de Pitágoras. Até que um dia, depois todo este ruído, conheci o mestre Caeiro, e todas as vigas e alicerces […]

Read More →

The Playlist Project: The Endless

Hi, my name is Marta and I have a playlist addiction. Songs about family, songs with a colour in the title, songs that reference mythology or scientific concepts. Songs in 3/4 time signature – I have one for them all. It’s an entertaining way of releasing obsessive tendencies while discovering new music. Each playlist ends up being a type of […]

Read More →

O Slogan Maldito

Deparei-me hoje com esta palermice de cartaz num tweet do irmaolucia e fui a correr confirmar. Era verdade, caros leitores: o CDS/PP de Almada (porquê especificamente o de Almada é uma boa questão, e uma à qual não sei responder) tinha um novíssimo cartaz para a sua campanha contra a eutanásia.: Digo “tinha” porque já o retiraram da sua página […]

Read More →

The Endless Panel

Aside from the amazing depth and wonderful story, one of the reasons why I love The Endless is how great their are for art practice. From Dream to Delirum’s hair, which I have been trying to get right for aeons, to the fabric in Destiny’s cloak, Desire’s androgyny and Despair’s Buddha-from-the-underworld appearance. They’re all wonderful to play around with. Just […]

Read More →

A Página em Branco

O terror. Começar por onde, em que ponto? E se me engano…? E se aquilo com que preencher o espaço em branco for mau? Pior: e se for medíocre? Todo este potencial manchado. A infâmia…! Pelo menos é o que entendo dos infinitos relatos sobre o medo da página em branco. Não o sei descrever melhor porque nunca o senti. […]

Read More →

Kodak Pocket Instamatic

We had a Kodak Instamatic 110 camera when I was kid, which was eventually replaced by something more modern – by 1989’s standards. Being a lover of film and wanting something a bit more handy than a 1kg camera, I decided to search the interweb for a working sister of my old Instamatic. It cost me 2€ and the seller […]

Read More →

fio fantasma

Sinto o mundo passar à frente e o passo dos meus pés presos com o peso de tempo soldado. Sempre me vi entre as palavras mas talvez as tenha tomado por certas. Devia estudar-lhes os vestidos E deitar fora os panos de padrões pirosos. Por muitos modelos que esboce O meu medo É já são saber costurar

Read More →

No Love Lost

no love is ever lost when love stands still if you save it in a box no love is ever spilled love can never be lost when it’s not carried in words to save every single drop just ignore the hummingbirds if you never reach to taste it no love is ever wasted save your skin from being bitten and […]

Read More →

Na última vez que estive contigo

Na última vez que estive contigo fomos as duas andar de baloiço no parque. Os Cinzentos mandaram-nos olhares reprovadores e comentámos o bom que era termo-nos uma à outra como companhia para andar de baloiço no meio da cidade e que os deviam fazer para adultos também. Porque, num mundo que nos torna monocromáticos com tanta facilidade, tu sempre foste […]

Read More →

Hoje o mar sou eu

É a sina de qualquer aprendiz: antes de se conseguir criar obra nossa, passamos eternidades a copiar (muito) os que já o fazem. Para perceber como se chega lá, para exercitar os músculos até conseguirmos andar sem as rodinhas de apoio. Os desenhos por aqui começaram depois dos 30 e, só muito recentemente, a surgir de forma regular. Qualquer ideia […]

Read More →

What Inktober can teach you

If you have never heard of it before, I will tell you now: Inktober is by far the coolest living challenge on the internet. Created in 2009, the idea is fairly simply (as most good things are): to make one ink drawing a day during the entire month of October. There’s an official prompt, with one word per day as […]

Read More →

The Visitors

It wasn’t like this before. We were never modern or trendy only feeding off old glories of dead sailors and football stars. So we liked having you here: the wealthy relatives who never held us in any regard. But now you come to visit all the time. There is no more sitting outside with a beer and a book contemplating […]

Read More →

Consultadoria

De cabeleireira farfalhuda cortada à tigela, tem um quê de Ringo Starr se tivesse tirado Gestão. O ângulo do perfil parece completamente à mercê do nariz e do seu esforço consciente em manter-se elevado – o que, é sabido, mostra ao mundo como somos conhecedores e capazes. Mas quando se afasta do portátil anda e gesticula como quem tem a […]

Read More →

Translations

O meu amigo Ricardo escreve umas coisas – bastantes e boas. Há poucos dias publicou, no seu cantinho virtual, um poema em que pede para não ser traduzido. O que me pareceu a oportunidade perfeita para exercitar os músculos de tradutora e pseudo-poeta. Sem mais demoras, aqui vai: My friend Rick (see what I did there?) writes a little – and […]

Read More →

‘Animais de Sangue Frio’

Festa de lançamento de Animais de Sangue Frio, o segundo livro de Elisabete Marques, ed. Língua Morta. Como um maquinismo louco ou uma lâmpada quase fundida, sou intervalado. Tremo até deslocar o ar. Minha inquietação, uma espécie de granido sem moldura. Vi-me ansioso por ser completo e absoluto, eu. Esta questão de lugar, o lugar sempre outro e atravessado e esquivo. […]

Read More →