A Página em Branco

O terror. Começar por onde, em que ponto? E se me engano…? E se aquilo com que preencher o espaço em branco for mau? Pior: e se for medíocre? Todo este potencial manchado. A infâmia…! Pelo menos é o que entendo dos infinitos relatos sobre o medo da página em branco. Não o sei descrever […]

Read More

fio fantasma

Sinto o mundo passar à frente e o passo dos meus pés presos com o peso de tempo soldado. Sempre me vi entre as palavras mas talvez as tenha tomado por certas. Devia estudar-lhes os vestidos E deitar fora os panos de padrões pirosos. Por muitos modelos que esboce O meu medo É já são […]

Read More

on signs

A childhood friend made me a business proposal that involves a fair amount of writing, on the same week I decided to resume the countless unfinished stories I’ve left abandoned inside a gazillion unfinished notebooks. We meet up at a nice café by a park lake for the briefing and brainstorming and I tell him […]

Read More

crenças

There are some books that refuse to be written. They stand their ground year after year and will not be persuaded. It isn’t because the book is not there and worth being written—it is only because the right form of the story does not present itself. There is only one right form for a story […]

Read More

desejos

Queria voltar a conseguir escrever como quando tinha 16 anos.

Read More

Do it yourself best seller – As lições do Código da Vinci

Até o Jornal de Letras se rendeu e, na última edição, traz um estudo sobre este fenómeno editorial. Trezentos mil exemplares vendidos só cá em Portugal, é obra. E, pela experiência de quem o comprou, cada livro é emprestado a uma média de 4 pessoas que o devoram num instante. Confesso que li o livro […]

Read More