Skip to content
Advertisements

No Love Lost

no love is ever lost when love stands still if you save it in a box no love is ever spilled love can never be lost when it’s not carried in words to save every single drop just ignore the hummingbirds if you never reach to taste it no love is ever wasted save your skin from being bitten and […]

Read More →

Na última vez que estive contigo

Na última vez que estive contigo fomos as duas andar de baloiço no parque. Os Cinzentos mandaram-nos olhares reprovadores e comentámos o bom que era termo-nos uma à outra como companhia para andar de baloiço no meio da cidade e que os deviam fazer para adultos também. Porque, num mundo que nos torna monocromáticos com tanta facilidade, tu sempre foste […]

Read More →

Hoje o mar sou eu

É a sina de qualquer aprendiz: antes de se conseguir criar obra nossa, passamos eternidades a copiar (muito) os que já o fazem. Para perceber como se chega lá, para exercitar os músculos até conseguirmos andar sem as rodinhas de apoio. Os desenhos por aqui começaram depois dos 30 e, só muito recentemente, a surgir de forma regular. Qualquer ideia […]

Read More →

What Inktober can teach you

If you have never heard of it before, I will tell you now: Inktober is by far the coolest living challenge on the internet. Created in 2009, the idea is fairly simply (as most good things are): to make one ink drawing a day during the entire month of October. There’s an official prompt, with one word per day as […]

Read More →

The Visitors

It wasn’t like this before. We were never modern or trendy only feeding off old glories of dead sailors and football stars. So we liked having you here: the wealthy relatives who never held us in any regard. But now you come to visit all the time. There is no more sitting outside with a beer and a book contemplating […]

Read More →

Consultadoria

De cabeleireira farfalhuda cortada à tigela, tem um quê de Ringo Starr se tivesse tirado Gestão. O ângulo do perfil parece completamente à mercê do nariz e do seu esforço consciente em manter-se elevado – o que, é sabido, mostra ao mundo como somos conhecedores e capazes. Mas quando se afasta do portátil anda e gesticula como quem tem a […]

Read More →

Translations

O meu amigo Ricardo escreve umas coisas – bastantes e boas. Há poucos dias publicou, no seu cantinho virtual, um poema em que pede para não ser traduzido. O que me pareceu a oportunidade perfeita para exercitar os músculos de tradutora e pseudo-poeta. Sem mais demoras, aqui vai: My friend Rick (see what I did there?) writes a little – and […]

Read More →

‘Animais de Sangue Frio’

Festa de lançamento de Animais de Sangue Frio, o segundo livro de Elisabete Marques, ed. Língua Morta. Como um maquinismo louco ou uma lâmpada quase fundida, sou intervalado. Tremo até deslocar o ar. Minha inquietação, uma espécie de granido sem moldura. Vi-me ansioso por ser completo e absoluto, eu. Esta questão de lugar, o lugar sempre outro e atravessado e esquivo. […]

Read More →

Mais, por favor

Quando era pequena, o meu pai tentou (exaustivamente) convencer-me a ter aulas de aikido. “Não quero! Quero ser bailarina!”, protestava eu. “O aikido é quase uma dança,” argumentava o meu pai “vais ver que vais gostar.” Mas a Marta de 8 anos não queria saber. A Marta de 8 anos queria era lantejoulas, dançar em pontas e ser a Pequena […]

Read More →

Viver com Esclerose Múltipla

O próximo dia 31 de Maio marca o Dia Mundial da Esclerose Múltipla. Para assinalar a data, a Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla (SPEM) organizou uma exposição no jardim exterior do Centro Comercial Colombo que, para além de querer divulgar a doença e as várias formas de apoio, tenta, principalmente, mostrar-nos o que é viver com EM. Desde os pesos […]

Read More →

primordial

It breathes ancient, this thing. It stirs and it rings and pours out of my skin. There’s a tempest within. I should hold down the lid but can’t sail this ship while lost drunk on longing. The sails rip at the seams. My lips holding the seeds I can’t sow – for now. Can the whispering wind let you know […]

Read More →

Bag Lady

Too many bags with too much baggage back from when your heart was savage and oblivious. A bag of lights A bag of doubts An empty bag on where to shout. The bag of tricks you’ve since collected – their smoke and mirrors have now deflected. So pile it up and build a pyre Make a shrine out of the […]

Read More →

Amélia dos olhos doces

Há cerca de 3 anos atrás, decidi colaborar com a Associação Mais Proximidade Melhor Vida (MPMV) e voluntariei-me para visitas semanais a um(a) idoso/a a ser designado. Alistei a amiga Stella e, pouco tempo depois, fomos informadas de que iriamos visitar uma octagenária “bastante culta, que fala com a família por Skype, por Facebook e por mail.” No dia 19 de […]

Read More →

74 x 34 x 60 mm

Dimensões conservadas. Discretamente heterogéneo apenas. Linha sem alterações intrínsecas. Septação fúndica já conhecida já alvo de intervenção. Cavidade virtual. Pequenas imagens líquidas infracentimétricas simples. Visibilidade anexial direita mais satisfatória do que a esquerda. Douglas livre.

Read More →