Orphans

As an orphan one learns to be self-sufficient and one learns the tricks of the trades which go with that. One becomes a freelance. (…) I propose a conspiracy of orphans. We exchange winks. We reject hierarchies. All hierarchies. We take the shit of the world for granted and we exchange stories about how we nevertheless get by. We are […]

Read More →

correspondências

O teu pai era assim, não perdia tempo para pôr-se em contacto com altos personagens, fosse quem fosse. Escreveu ao Papa Pio XII a falar-lhe do Subud, e ao General de Gaulle a explicar-lhe as suas teorias de geo-estratégia mundial. Provavelmente terá escrito a bastantes mais pessoas, mas não me contou. Eu, ficava todo ufano de ter um primo assim, todo […]

Read More →

os mortos vivem

Comecei ontem a devorar a série que apelidei carinhosamente de Os Retornados: Les Revenants. “Não são zombies nem fantasmas: voltam de repente, tal e qual como eram antes de morrerem. Não conseguem dormir e estão sempre com fome”, conta-me a amiga Panda, que descobre sempre estas pérolas. Visualmente arrebatadora, é estupidamente bem escrita e um dos meus sonhos recorrentes em […]

Read More →

música para dias de chuva

Photo: Julé Malet-Veale Cada vez mais acho que a melhor música de Inverno é feita por canadianos. Descobri os Hey Rosetta! há uns anos, graças ao seu genial conterrâneo e apaixonei-me pela miríade de cordas no meio das guitarradas. Este (passado) ano descobri o Seeds (2011), que canta a nostalgia do já-não-temos-vinte-anos e é um daqueles tesouros que se, por um […]

Read More →

nostalgias

É mais do que a visão romântica da infância a falar: as revistas (aka gibis) que saem agora são por demais histriónicas e a versão teen é… como dizer?, um desastre. Mas nem tudo está perdido. Para além dos números muy antigos, com as suas punchlines geniais, há o projecto MSP 50, onde 50 artistas reimaginam e redesenham as personagens da […]

Read More →

o tio Pullman e os tios Grimm

Because the great thing about fairy tales and folk tales is that there is no authentic text. (…) One thing that did strike me was how different these stories are from novels. You almost never see an adverb—”he said ruefully”—anything like that. That doesn’t happen. You just get what he said, what she did, that absolutely bald statement. And I […]

Read More →