leitura de férias

O amor visto pelos gregos antigos, muito pouco românticos, por sinal. Ainda agora o comprei e já vejo o livro todo sublinhado e com anotações à margem. Eros is expropriation. He robs the body of limbs, substance, integrity and leaves the lover, essentially, less. (…) Love does not happen without loss of vital self. The lover is the loser. Or […]

Read More →

correntes

Fui desafiada no Facebook, mas vou deixar os bloguistas (blogueiros? blogadores?) em paz: 1. Adoro aranhas. 2. O primeiro poema que escrevi era sobre árvores. 3. Queria ter uma máquina do tempo para convencer a minha mãe adolescente a ir para Belas Artes. 4. Queria ter uma máquina do tempo para passar mais tempo com a minha mãe. 5. Sou […]

Read More →

entretanto

O blog também fez anos e, em tom nostálgico, reproduzimos aqui o início, agora com foto a condizer. princesas a ervilha que eu temo és tu quem a sente? se eu assinto a escalada dessa pilha aclamada de colchões.

Read More →

mental note

You told me once that we shall be judged by our intentions,not by our accomplishments. I thought it a grand remark. But we must intend to accomplish – not sit intending on a chair. E. M. Forster, Where Angels Fear to Tread

Read More →