patos e patas (II)

Caríssima União das Famílias Portuguesas Quero desde já agradecer os folhetos de propaganda que espalharam pelo meu actual e temporário local de trabalho, informando-me do perigo que os homossexuais representam para as famílias e para a sociedade. Sempre me orgulhei dos meus muitos e bons amigos que mantêm relações com pessoas do mesmo sexo mas, graças aos senhores, descobri que sofrem de uma “deficiência psíquica e somática” e de “grave degradação moral”. Pior: que “praticam o sectarismo mais primário contra as pessoas normais” e que as suas actividades “encaixam perfeitamente nos planos dos grupos satânicos de destruição da família e da Civilização”. Quais Nero ou Hitler, o Anticristo é obviamente a comunidade homossexual. Sempre acreditei que a evolução da humanidade compreende a ascensão de um estado primitivo para um mais racional e, passo a redundância, humano. Uma libertação dos instintos primários de sobreviência, que nos fazem eriçar o pêlo ao encontrar alguém que não pertence à nossa tribo – porque, se é diferente, o mais provável é que seja uma ameaça. Mas a verdade é que sempre fui uma romântica e os senhores mostraram-me hoje o quanto estava enganada. Ainda há muitos homens primitivos a passearem-se pelas grandes metrópoles. Nota: respeito a liberdade de expressão do meu vizinho, mas reservo-me o direito de exercer a minha e recolher todos os panfletos para os devolver ao lixo a que pertencem.

Read More →

sintonias

Quando não sabemos se vai ser bom porque nos parece mais sensato ser pessimistas. Quando olhamos para trás e dizemos secretamente para nós próprios: “olha só, olha só onde estou agora.” S. Otto Há poucas sensações tão boas como a sintonia, descobri-la em pessoas novas ou vê-la crescer entre as antigas. Mas melhor que a dos laços é a sintonia de seja o que for que move os nossos mundos individuais. E o meu tem-se encontrado com o dos meus nas mudanças e surpresas que me parecem ir muito além das consequências do crescimento. A amiga Sílvia mudou de casa enquanto eu mudava a minha – a física e a outra -, deixando para trás o que já não serve, ressuscitando o que estava coberto de pó. Sem saber o que vai sair dali, se as novas cores vão resultar; mas de porta aberta a visitas. E digo publicamente: olhem só, olhem só onde estou agora.

Read More →

tara paternal aprovada

I heard a joke once: Man goes to doctor. Says he’s depressed. Says Life is harsh and cruel. Says he feels all alone in a threatening world. Doctor says “Treatment is simple. The Great Clown Pagliacci is in town tonight. Go see him. That should pick you up.” Man bursts into tears. Says, “But doctor… I am Pagliaci.” Good joke. […]

Read More →

patos e patas

Levanto-me tarde e a más horas e uma das primeiras coisas que ouço é – Do ponto de vista biológico, um pato e uma pata são um casal. Um pato e um pato são só dois patos. Duas pessoas do mesmo sexo não são um casal porque não acasalam. – E um homem e uma mulher que deixem de ter filhos, continuam a ser um casal? – Sim. E saio de casa a correr.

Read More →

march madness

March madness? March madness – we’re closer to death. I feel like the winter is holding its breath. I’m sleepy and restless, but ready to nap, though too much on the brain means the tree must be sapped. In love with this life and dear ones around. Occasionally, it is too much of a sound. To ignore would be foolish. For hidden within, lies the answers to questions we’re about to begin. This journey is swift and at times makes no sense. Why some people die while other souls are left. I therefore will try not to squander a moment. This life is too precious to waste and be dormant. When the bell tolls for me I hope some will notice. I made what I wanted to hear and found solace. Royal Wood

Read More →