“o sol cuspiu a manhã na cara do gajo”

Depois de um jejum teatral de quase um ano, lá segui o conselho de uma amiga (conhecida na comunidade bloguística como J.) e fui ver “O Mocho e Gatinha”, em cena no Teatro Mário Viegas. Já tinha ouvido falar da dita mas como o título me remetia para uma peça infantil, não lhe dei muita atenção. Trata-se, afinal, de uma história de amor absolutamente hilariante entre um pseudo-escritor e uma pseudo-prostituta com sérias dificuldades em se adaptarem ao mundo um do outro.

São três horas (sim, três, mas nem dão por elas) de riso constante com uma peça que, palhaçadas à parte, consegue ter substância e nos faz reflectir sobre as relações humanas, principalmente no que toca à nossa inflexibilidade em tentar ver através da perspectiva de um outro completamente oposto a nós – e que, se olharmos com atenção, talvez seja mais parecido connosco do que estávamos à espera.

Só está em cena durante mais dois fins-de-semana.

Vão ver!

Advertisements

2 Comments »

  1. “Eu sou um intelectual, eu não faço o que quero!” e “A evolução da humanidade não se fez à conta do mimo dos idiotas” (não terá sido dito exactamente assim, mas parecido) foram duas das tiradas brilhantes da peça. E só está até este fim-de-semana… Aproveitem 🙂

    Like

  2. Reconheço que o título pode afastar as almas mais crescidas do espectáculo, mas folgo em saber que acham que valeu a pena. Lamento dizê-lo mas o espectáculo acaba já este sábado. A companhia tem de seguir para ensaios.J.

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s